Cover & Diagrams

resource preview
resource preview
resource preview
resource preview

Download and customize more than 500 business templates

Start here ⬇️

Go to dashboard to view and download stunning resources

Download

Sinopse

Já se perguntou por que o Vale do Silício parece onipotente em todas as áreas? Estamos em uma era sem precedentes, onde algumas poderosas empresas de tecnologia dobraram a internet para atender seus objetivos monopolistas e libertários.

No passado, empresas construídas com base no vício e na erosão da privacidade do cliente foram regulamentadas, tributadas e alinhadas devido às demandas dos consumidores e preocupações de saúde pública e vigilantes do governo.

Em Mova-se Rapidamente e Quebre Coisas: Como Facebook, Google e Amazon Dominaram a Cultura e Minaram a Democracia, aprenda como essas empresas e outras semelhantes saíram do controle bem debaixo de nossas pontas dos dedos.

Download and customize more than 500 business templates

Start here ⬇️

Go to dashboard to view and download stunning resources

Download

Top 20 insights

  1. As empresas de tecnologia tomaram perigosamente nossa economia. Em 2006, as cinco principais empresas por capitalização de mercado eram ExxonMobil, General Electric, Microsoft, CitiGroup, BP e Royal Dutch Shell, valendo em média $288 bilhões cada. Em 2016, as cinco principais empresas eram Apple, Google, Microsoft, Amazon e Facebook, valendo em média $476 bilhões.
  2. Os primeiros adotantes da internet exaltaram sua capacidade de trazer uma "cauda longa" de receita para artistas individuais e criadores de conteúdo. Não é bem assim. Hoje na indústria da música, 80% das receitas são derivadas de 1% dos artistas. Compare isso com a década de 1980, onde 80% das receitas da indústria da música vieram de 20% do conteúdo.
  3. Grandes nomes do Vale do Silício, como Peter Thiel, fundador do PayPal e investidor inicial do Facebook, acreditam em si mesmos como brilhantes sábios cujo puro gênio deu origem à era da internet. Thiel é um libertário declarado e rejeita o valor da ajuda ou interferência do governo. A ironia é que "a internet foi concebida e paga pelo governo dos EUA."
  4. As crenças de Thiel se aventuram em território sombrio. Ele defendeu filosofias que se opõem à "imigração igualitária", "integração forçada" e o valor das mulheres no local de trabalho. Em um momento, seus escritos se concentraram na criação de estados alternativos "livres de impostos, regulamentação e direitos autorais."
  5. Thiel estabeleceu princípios fundamentais para identificar uma empresa de internet bem-sucedida. Isso inclui características óbvias, como um negócio que aproveita as economias de escala ou uma marca forte. Mas de suma importância é o valor de uma empresa que tira proveito da falta de regulamentação governamental na internet.
  6. Grandes empresas de tecnologia usam práticas complicadas para minimizar impostos e dar o mínimo ao governo dos EUA, no valor de $60 bilhões anualmente. "Bloomberg Businessweek" e uma equipe de professores de economia descobriram que essas empresas usam "preços de transferência" para atribuir grandes volumes de receita a países que são paraísos fiscais e sobrecarregar despesas em entidades de países com alta tributação.
  7. Muitos chefes de tecnologia têm visões incrivelmente futuristas. Thiel investiu pesadamente em uma empresa chamada Halcyon Molecular, cujo objetivo era "criar um mundo livre de câncer e envelhecimento." E o cientista-chefe do Google, Ray Kurzweil, acredita em alcançar o que ele chama de "singularidade", quando as máquinas podem criar outras máquinas mais inteligentes do que elas mesmas.
  8. Google e outros usaram práticas eticamente duvidosas para chegar onde estão hoje. Eles nunca pediram permissão para "copiar toda a World Wide Web em seus servidores e indexá-la." Além disso, eles nunca obtiveram permissão para capturar imagens de casas e locais de trabalho privados para criar o Google Maps.
  9. O YouTube se beneficia injustamente do trabalho de escritores e produtores. Eles são o principal player no negócio de streaming de música, com uma participação de mercado de 52%. No entanto, eles pagam apenas "13% das receitas de música em streaming" que músicos e artistas ganham.
  10. Alexis Ohanian, co-fundador do Reddit e presidente executivo, foi confrontado sobre como a música pirata em seu site havia destruído o sustento de músicos como "The Band." Ele sugeriu que eles voltassem a fazer turnês para ganhar dinheiro, insensível ao fato de que um tinha câncer terminal, e os outros já estavam mortos.
  11. Devemos estar atentos à influência perniciosa que as empresas monopolistas têm na vida política americana. Pesquisadores de Princeton descobriram que "as preferências de um pequeno número de corporações e dos muito ricos tiveram um enorme impacto nas decisões políticas, enquanto as opiniões dos americanos de renda média e pobre quase não tiveram."
  12. A Amazon emprega táticas monopolistas antigas para persuadir fornecedores a concordar com seus termos. Nas negociações com o distribuidor de livros Hachette, a Amazon traçou linhas de batalha firmes para levar a Hachette à irrelevância. A Amazon usou sua ferramenta de "sugestões" para sugerir livros não-Hachette aos leitores ou deu tempos estimados de entrega muito mais longos para os livros da Hachette.
  13. Pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts identificaram os resultados da atividade monopolista. Eles descobriram que "mesmo com o aumento do número de novas ideias e potencial para inovação, parece haver uma redução na capacidade das empresas de escalar. Tornou-se cada vez mais vantajoso ser um titular, e menos vantajoso ser um novo participante.
  14. Por meio da falta de regulamentação, a Amazon acumulou lentamente um alcance e influência incomparáveis no espaço do comércio eletrônico. Para cada dólar gasto online, a Amazon ganha 51 centavos.
  15. Existem inúmeros laços e sobreposições entre o Google e Washington, D.C. O Google gasta mais de $15 milhões por ano em lobby. Uma política de "portas giratórias" é endêmica entre as duas entidades. O diretor de tecnologia dos EUA, o Diretor Digital da Casa Branca e outros advogados e chefes governamentais seniores vieram todos do Google.
  16. O papel único do Google como disseminador de informações teve resultados preocupantes para o processo democrático. Quando um projeto de lei que teria forçado os motores de busca a proibir links para sites piratas estava em revisão, o Google exibiu um retângulo preto sobre o logotipo de sua página inicial com as palavras, "Diga ao Congresso: Por favor, não censure a web!"
  17. O Google roubou não apenas o conceito, mas também os dados reais de empresas como o Yelp. O CEO do Yelp, Jeremy Stoppelman, testemunhou perante o subcomitê antitruste do Senado que o Google extraiu seu conteúdo, como avaliações de usuários e informações comerciais, sem permissão. Então, o Google exigiu que o Yelp permitisse que isso acontecesse ou enfrentasse a remoção das pesquisas na web como consequência.
  18. A falta de regulamentação da internet levou a fraudes desenfreadas e dólares de anúncios desperdiçados. Pesquisadores concluíram que "11% dos anúncios de display e quase um quarto dos anúncios em vídeo foram 'vistos' por software, não por pessoas." Um estudo proeminente estima que isso resulta em $6,3 bilhões em dólares de anúncios desperdiçados todos os anos.
  19. Não é de se admirar que a desinformação paralise a mídia americana. Em uma comparação entre The New York Times e Huffington Post, HuffPost gerou mais conteúdo por dia (1.600 vs. 350 peças) e mais tráfego por dia (43,4 vs. 17,4 milhões de visualizações de página) com muito menos funcionários através do uso de blogueiros não remunerados e sites de terceiros.
  20. As gigantes empresas de tecnologia não foram uma benção para o trabalhador americano médio. Embora as empresas de tecnologia compreendam cinco das seis principais empresas dos EUA por capitalização de mercado e gerem cerca de 21% do S&P 500, "elas empregam apenas 3% da força de trabalho americana."
stars icon
25 questions and answers
info icon

There are contrasting viewpoints on the role of tech companies in shaping the internet and the economy. Some believe that tech companies have dangerously overtaken our economy, with the top five companies in 2016 being tech companies like Apple, Google, Microsoft, Amazon, and Facebook. They argue that the internet has not brought the expected 'long tail' of revenue to individual artists and content creators, with 80% of the revenues in the music business being derived from 1% of artists. On the other hand, Silicon Valley figures like Peter Thiel, founder of PayPal and early Facebook investor, see themselves as brilliant savants whose genius birthed the age of the internet. Thiel, an avowed libertarian, rejects the value of government aid or interference.

Government aid or interference can potentially shape the future of the internet in several ways. It can provide funding for research and development, which can lead to new technologies and innovations. It can also regulate the internet, setting rules for how it can be used and by whom. This can impact everything from privacy and security to the types of content that can be shared. Additionally, government policies can influence the accessibility and affordability of the internet, which can affect who is able to use it and how they use it.

The long-term effects of tech companies' dominance on the economy could be multifaceted. They could lead to a concentration of wealth and power, as the top tech companies continue to grow and accumulate wealth. This could potentially lead to a decrease in competition, as smaller companies struggle to compete with these tech giants. Additionally, the dominance of tech companies could influence the job market, potentially leading to job losses in traditional industries while creating new opportunities in the tech sector. However, these are just potential effects and the actual impact would depend on various factors including government regulations and policies.

View all 25 questions
stars icon Ask AI
info icon
resource image

Resumo

A falta de regulamentação governamental e a fraca legislação antitruste levaram a uma cultura do Vale do Silício onde alguns homens poderosos semeiam suas visões libertárias nas maiores empresas de tecnologia do mundo. Esses homens usaram seu dinheiro e influência para escapar da perseguição pelos estragos que suas práticas comerciais causaram. Essas baixas incluem a destruição da indústria da música e os meios de subsistência de inúmeros artistas, a prática de táticas de pressão duvidosas para forçar a mão dos provedores de conteúdo e a facilitação de um ambiente de notícias que prioriza cliques em vez de qualidade e verdade. Eles se opõem ferozmente a qualquer ameaça ao seu modelo de negócios, um modelo que prospera com a receita de publicidade a todo custo. Ao fazer isso, eles colocaram em perigo a segurança nacional e o bem-estar dos indivíduos globalmente.

stars icon
25 questions and answers
info icon

Some examples of Silicon Valley companies cornering culture include the destruction of the music industry and the livelihoods of countless artists, the practice of dubious pressure tactics to force the hand of content providers, and the facilitation of a news environment that prioritizes clicks over quality and truth. These companies have used their influence to escape prosecution for the damage their business practices have caused, and they fiercely oppose any threat to their business model, which thrives on advertising revenue at all costs.

The government can regulate the influence of money in Silicon Valley by implementing stronger antitrust legislation and regulations. This could include measures to prevent monopolies, promote competition, and ensure fair business practices. Additionally, the government could enforce stricter rules on advertising revenue models to protect national security and individual welfare. It could also establish regulations to ensure the quality and truthfulness of news content.

The societal implications of Silicon Valley's business practices are significant. The lack of government regulation and weak antitrust legislation has led to a culture where a few powerful individuals can influence the world's greatest technology companies. This has resulted in the destruction of industries, dubious pressure tactics, and a news environment that prioritizes clicks over quality and truth. These practices have also endangered national security and the welfare of individuals globally.

View all 25 questions
stars icon Ask AI
info icon

Libertarianismo e tecnologia

Uma agência governamental, a Defense Advanced Research Projects Agency, financiou e criou a internet. O principal objetivo da agência de defesa era fomentar avanços indefinidos na tecnologia para competir com a União Soviética. A agência empregou um punhado de cientistas e engenheiros para desenvolver a internet, muitos dos quais "estavam fundamentalmente convencidos de que poderiam tornar o mundo um lugar melhor com suas invenções." Eventualmente, essa equipe se dividiu em dois grupos. O primeiro era um conjunto de "geeks de computador" interessados na nova tecnologia por si só. O segundo era um grupo de homens que se identificavam como "humanistas contraculturais." Eles acreditavam que a internet tinha um grande potencial para a humanidade, tornando a informação e a oportunidade acessíveis a todos.

stars icon
25 questions and answers
info icon

The computer geeks were interested in the new technology for its own sake. They were part of the team that developed the internet, working alongside a group of counter-cultural humanists.

The Defense Advanced Research Projects Agency aimed to make the world a better place with their inventions by developing the internet. They believed that the internet held great potential for humankind by making information and opportunity accessible to all. This was a part of their broader goal to foster advances in technology to compete with the Soviet Union.

The team that developed the internet had two main views on its potential. One group, referred to as computer geeks, were interested in the new technology for its own sake. The other group, identified as counter-cultural humanists, believed that the internet held great potential for humankind by making information and opportunity accessible to all.

View all 25 questions
stars icon Ask AI
info icon

"A Web foi construída para descentralizar o poder e criar acesso aberto, mas ... 'serviços populares e bem-sucedidos (pesquisa, redes sociais, e-mail) alcançaram status quase monopolista."

Hoje, um punhado de poderosas empresas controla a internet. Mas é importante lembrar que a internet foi inicialmente desenvolvida primeiro para fins governamentais e, mais tarde, com a intenção de maior democratização e igualdade. Com a comercialização da internet veio um aumento no poder dos chefes dessas novas empresas de internet.

stars icon
25 questions and answers
info icon

Potential solutions to the problems caused by the rise of internet companies could include implementing stricter regulations and laws to control their power, promoting competition by supporting smaller businesses, and encouraging transparency in their operations. Additionally, users can be educated about data privacy and digital rights, and governments can invest in public digital infrastructure to reduce dependency on these companies.

The commercialization of the internet has led to a concentration of power in a few large companies, which can lead to issues such as monopolistic practices, privacy concerns, and unequal access to information. It has also transformed the way businesses operate, enabling global reach and instant communication, but also creating new challenges such as cybersecurity threats.

The rise of internet companies has significantly impacted the technology industry. It has led to increased competition, innovation, and rapid technological advancements. These companies have also influenced the way businesses operate, leading to a shift towards digitalization and online services. However, it has also led to concerns about data privacy and security, and the concentration of power in a few companies.

View all 25 questions
stars icon Ask AI
info icon

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, e outros podem não ter começado suas carreiras com fervor libertário. No entanto, homens como Peter Thiel e Marc Andreessen garantiram que as visões libertárias nunca estivessem ausentes de suas estratégias. Essas visões ajudaram a Amazon, o Facebook e o Google a se tornarem monopólios.Líderes empresariais libertários ricos como Thiel e Andreessen financiaram, promoveram e protegeram leis e regulamentos que tornam a regulamentação antitruste impotente e protegem os monopólios de críticas.

stars icon Ask AI
info icon

Os libertários acreditam que o governo geralmente está errado, e o mercado está sempre certo. Eles rejeitam a regulamentação nos negócios e as leis relacionadas aos direitos autorais, colocando os líderes empresariais nos papéis de herói e criador de empregos e todos os outros como o "parasita". Eles desprezam as "rainhas do bem-estar" e o conceito de assistência governamental para os pobres. A ironia é que pesquisas mostram que essas empresas de tecnologia representam apenas 3% dos empregos nos EUA, mas representam 21% do S&P 500. Portanto, eles não são os criadores de empregos que afirmam ser. E, como mencionado anteriormente, a própria internet foi criada através de financiamento e assistência governamental. À medida que o libertarianismo se entrelaça com a grande tecnologia, vemos cada vez mais a criação de um mundo em que pessoas como artistas individuais, escritores, cineastas, empreendedores e trabalhadores braçais são deixados de lado. E, a privacidade e a segurança de todos foram comprometidas ao longo do caminho. Aqui estão apenas alguns exemplos de como a grande tecnologia, seus laços com Washington e seu compromisso em lutar contra a regulamentação e as leis antitruste levaram e podem levar a resultados perigosos.

stars icon Ask AI
info icon

Clickbait como jornalismo

Grandes centros de mídia como "Buzzfeed", "Huffington Post" e "Bloomberg" dependem cada vez mais do Facebook para direcionar leitores a eles. Esses veículos recebem aproximadamente metade a dois terços de sua leitura do Facebook. Mas o esclarecido co-fundador do Twitter, Evan Williams, se refere a muitas notícias que aparecem nas redes sociais como "junk food". Histórias que são rigorosamente pesquisadas, cheias de verdade e incrivelmente persuasivas recebem o mesmo valor que uma notícia "junk food" que captura um segundo da atenção do leitor. Isso explica por que as fontes tradicionais de notícias estão lutando.

stars icon Ask AI
info icon

Modelos inovadores usados por lugares como o "Huffington Post" utilizam centenas de escritores, na maioria não remunerados, para garantir que o conteúdo esteja sendo continuamente atualizado. Lugares como "The New York Times" produzem menos peças de conteúdo original devido à contratação de escritores em um modelo mais tradicional e, portanto, recebem menos cliques e visualizações de página. Poderia se argumentar que esse padrão leva a uma menor receita publicitária para empresas com um maior compromisso com o rigor no jornalismo.

stars icon Ask AI
info icon
resource image

A história também é complicada pelo fato de que o Facebook funciona como um monopólio. Para muitos veículos de notícias, vencer no Facebook pode muitas vezes significar vida ou morte para sua empresa. Em 2015, o Facebook começou uma nova prática de hospedar notícias diretamente no Facebook em vez de levar os leitores a sites vinculados. Apesar dos riscos de entregar grande parte da experiência e informações de seus leitores ao Facebook, muitos veículos aderiram. Um escritor sugere que se os sites de notícias se unissem, eles poderiam resistir a essa investida. Mas a prática provavelmente já foi longe demais.

stars icon Ask AI
info icon

Will Oremus escreve em Slate, "E o Facebook deixou claro que aqueles que aderirem cedo verão um enorme crescimento em seu alcance no Facebook. Se isso se provar verdadeiro, outros correrão para seguir, mesmo quando fica claro que estão vendo retornos decrescentes. Enquanto isso, os que resistem veriam suas audiências no Facebook murcharem e morrerem, à medida que os algoritmos do Facebook rebaixam gradualmente as postagens que levam a sites de terceiros."

stars icon Ask AI
info icon

Zuckerberg mostrou uma promessa única entre os líderes de tecnologia ao questionar o estado de coisas entre as empresas de tecnologia, o governo e seus cidadãos e consumidores. Para começar, Zuckerberg e sua esposa, Priscilla Chan, prometeram doar sua riqueza para a caridade. Ele continua a revisitar e examinar questões éticas identificadas no modelo de negócios do Facebook. Muitos esperam que este tópico de jornalismo reduzido ao seu potencial como clickbait se torne uma preocupação para ele e outros líderes do Facebook.

stars icon Ask AI
info icon

Visões para o futuro

Taplin escreve que a internet agora é controlada por "um grupo de homens que acreditava ter tanto a genialidade quanto a fortaleza moral para operar fora das estruturas normais de lei e impostos". Mas a crença em sua natureza "super-humana" vai além. Thiel investiu milhões em uma empresa chamada Halcyon Molecular, agora extinta. Halcyon foi dedicada à busca pela extensão da vida, não apenas procurando curas para o câncer, mas conduzindo pesquisas em uma miríade de esforços anti-envelhecimento com o objetivo final de imortalidade.

stars icon Ask AI
info icon

O cientista-chefe do Google, Kurzweil, também tem visões extremas sobre a possibilidade de as máquinas se tornarem como humanos. Ele prevê que a "singularidade" está chegando em breve. Por isso, ele quer dizer um momento em que as máquinas se tornarão ainda mais inteligentes do que os humanos. Ele sugere que "personalidades" poderiam ser transferidas para "itens não biológicos", e assim, a imortalidade pode ser alcançada. A singularidade pressupõe que máquinas inteligentes terão a capacidade de criar máquinas ainda mais inteligentes do que elas mesmas. Ele acredita que isso continuará até que a inteligência alcance além do nosso planeta.

stars icon Ask AI
info icon

O professor de tecnologia e ética, Michael Patrick Lynch, escreve em seu livro The Internet of Us: Knowing More and Understanding Less in the Age of Big Data sobre um futuro distópico onde os smartphones são condensados em tamanho miniatura e inseridos em nossos cérebros. Os riscos e preocupações de tal produto são aparentes. Lynch hipotetiza cenários onde "paramos de aprender por observação e razão" e confiamos no que nosso chip de smartphone nos direciona a fazer. O ex-CEO do Google, Larry Page, já está trabalhando em tal oferta.

stars icon Ask AI
info icon

Crenças na possibilidade e valor da imortalidade, o desejo por uma máquina que aumenta em inteligência, e a busca por um dispositivo para substituir o cérebro humano são todos caminhos preocupantes. Todos esses caminhos refletem os valores dos homens cuja visão de si mesmos maior do que a vida os leva a colocar mais fé em sua tecnologia do que em seus semelhantes.

stars icon Ask AI
info icon

Uma ameaça a mais do que apenas a cultura

Outro grande problema é a recusa da tecnologia em monitorar certos tipos de atividades ilegais ou perniciosas. Organizações tão variadas quanto hackers russos, ISIS e traficantes de sexo cooptaram a internet para seus propósitos.

Considere o fato de que trinta anos atrás, organizações extremistas teriam que fazer um grande esforço para disseminar vídeos de propaganda para mais do que algumas centenas de pessoas. "Mas hoje o ISIS pode fazer um vídeo, postá-lo gratuitamente no YouTube, e obter dois milhões de visualizações em uma semana - especialmente se envolver algo horrível como uma decapitação." O YouTube tem toda a capacidade de censurar vídeos que ameaçam nossa segurança nacional ou ampliam o trabalho de ameaças estrangeiras. Mas eles optaram por não fazer isso, se escondendo atrás do véu da liberdade de expressão. E o conteúdo extremo e perigoso não é apenas uma ameaça menor. Em 2015, os apoiadores do ISIS tinham 46.000 contas no Twitter, e essas contas postavam mais de 90.000 tweets por dia. Em 2013, o ISIS poderia afirmar que 35.000 vídeos no YouTube eram deles.

stars icon Ask AI
info icon

O atual cenário legal coloca a responsabilidade nos usuários individuais para encontrar versões de seu conteúdo protegido por direitos autorais online. Mas considerando o volume do problema, essa política não é prática ou viável. "Mas hoje nenhum indivíduo pode efetivamente policiar os milhões de arquivos pirateados que surgem online e reaparecem no instante em que são retirados. O Google sozinho recebeu quase 560 milhões de notificações de remoção em 2015."

stars icon Ask AI
info icon

Alegações de que as plataformas não têm a capacidade de monitorar esse tipo de atividade são falsas. O YouTube censura efetivamente a pornografia usando tecnologia sofisticada para detectá-la antes mesmo de ser totalmente carregada no site. Essa mesma tecnologia poderia ser facilmente usada para filtrar vídeos do ISIS ou outro conteúdo ilegal. Infelizmente, não parece que a grande tecnologia será controlada tão cedo. Em 2016, uma autoridade dos EUA encarregada de direitos autorais começou a analisar as disposições que permitem que as empresas de mídia social exibam conteúdo pirateado e ilegal. Ela "solicitou comentários" sobre se essas leis deveriam ser alteradas. Ao tomar conhecimento da situação, o Google criou uma "organização proxy" chamada Fight for the Future que "gerou milhares de comentários automatizados no site regulations.gov se opondo a qualquer mudança nas [leis]." Além disso, essa autoridade foi forçada a sair de seu cargo a pedido do Google.

stars icon Ask AI
info icon

As visões de mundo libertárias de alguns dos influenciadores mais conectados do Vale do Silício levaram a um ambiente onde os líderes agem primeiro e perguntam depois. Embora essa prática sem dúvida tenha levado a inovações tecnológicas, veio ao custo de um enfraquecimento de nosso setor de jornalismo e a queda dos meios de subsistência de muitos músicos, artistas e empreendedores. Além disso, a falta de regulamentação da internet perpetuou visões extremistas, divisão nacional e até mesmo enfraqueceu nossa segurança nacional.

stars icon Ask AI
info icon

Download and customize more than 500 business templates

Start here ⬇️

Go to dashboard to view and download stunning resources

Download